Sem categoria

E se a sua instituição de ensino fosse assim…

“As salas de aula das escolas e faculdades brasileiras são como navios capitaneados por professores, e a avaliação de estudantes, corretamente aplicada, é o farol que guia os professores nos mares revoltos das múltiplas estratégias de ensino.”

 Fabrício Garcia | CEO- QSTIONE

Os resultados das avaliações institucionais obtidos nos últimos anos, realizadas pelo MEC e por organismos internacionais, são igualmente ruins para as instituições de ensino privadas e públicas brasileiras. Isso ocorre em vários níveis, tanto no ensino superior quanto no ensino fundamental e médio.

Os problemas da educação brasileira estão relacionados a múltiplos fatores, que passam pela estrutura, organização e gestão das instituições de ensino brasileiras. Contudo, em certa medida, um dos grandes problemas educacionais brasileiro, reside no próprio modelo de avaliação de estudantes adotado por nossas instituições.

A estruturação do processo de avaliação de estudantes, geralmente, é um problema nas escolas e faculdades. Os estudantes e professores, em muitos casos, têm a percepção de que a avaliação é um mal necessário, tratando a prova como um mero obstáculo e/ou exercício que visa apenas gerar um resultado, que serve apenas para formalizar uma nota, visando definir a aprovação ou reprovação do estudante. Nesses casos, as dimensões formativa e diagnóstica das avaliações são colocadas em segundo plano.

Quando analisamos a qualidade dos processos avaliativos no âmbito das avaliações cognitivas de estudantes, identificamos que os professores têm dificuldade na elaboração das avaliações. Aspectos pedagógicos básicos, como a construção de itens é, muitas vezes, desarticulada dos objetivos de aprendizagem e apresentam um baixíssimo nível de contextualização com a aplicabilidade do conhecimento na prática. Isso reduz a qualidade e a amplitude avaliativa das provas.

Na prática, a estruturação das avaliações de estudantes, torna-se um gargalo do processo de ensino em grande parte das nossas instituições. O descompasso das provas com o planejamento de ensino gera grandes dificuldades, que serão abordadas nos próximos artigos, e elegem a melhoria do processo de avaliação de estudantes, como um dos grandes desafios para educação brasileira.

O mais interessante nesta discussão sobre o processo de avaliação de estudantes em escolas e faculdades brasileiras, reside no fato de que as instituições de ensino apresentam dificuldades em múltiplas dimensões quanto a estruturação das provas, como:

  • operacionalizar a geração de provas integradas;
  • personalizar os conteúdos e objetivos de aprendizagem solicitados em cada avaliação, de acordo com a matrícula e as necessidades especiais de cada aluno;
  • capacitar professores para elaborar avaliações, seguindo as boas práticas pedagógicas;
  • fazer a gestão do conhecimento solicitado nas provas, identificando quais são os conhecimentos mais deficitários e quais os alunos que precisam de mais atenção;
  • gerar relatórios personalizados para os estudantes, tornando possível a autoavaliação dos próprios resultados e qualificando a devolutiva das provas;
  • analisar os dados obtidos nas avaliações e tomar decisões a partir de indicadores gerados pelas avaliações.

Note, que as dificuldades encontradas pelas instituições de ensino podem ser básicas, como operacionalizar os processos de geração de provas, ou complexas, como gerar indicadores acerca dos resultados das provas e tomar decisões a partir deles.

Diante desse contexto, podemos fazer uma breve reflexão sobre a melhoria do processo de avaliação de estudantes.

E se a sua instituição de ensino fosse assim:

  • com todas as provas devidamente estruturadas de acordo a Taxonomia de Bloom e com os conteúdos e objetivos de aprendizagem, previstos nos planos de ensino, sendo solicitados em cada item de avaliação;

  • com um banco de questões próprio na sua escola ou faculdade, criado por seus professores e constantemente atualizado;

  • com os seus professores livres do trabalho burocrático de corrigir provas, aumentando a sua produtividade e podendo realizar outras atividades acadêmicas de maior importância;

  • com estudantes satisfeitos, ao receber um relatório completo e personalizado do seu desempenho a cada prova realizada;

  • com uma ferramenta de gestão, na qual você saberá do desempenho de cada estudante e professor, em sala de aula, podendo aferir quais são os conhecimentos deficitários e quais alunos merecem mais atenção;

  • com professores capazes realizar provas contextualizadas e estruturadas para solicitar as habilidades e conhecimentos previstos nos planos de ensino.

Imagine o poder de uma ferramenta de gestão do conhecimento. Pense que é possível mudar o paradigma de avaliação de estudantes, transformando a sua instituição de ensino e mudando o atual conceito que professores e estudantes têm das provas.

Imagine!

O trabalho desenvolvido pela Qstione visa tornar realidade a criação dessa instituição de ensino, na qual é possível fazer a gestão do conhecimento obtido pelos estudantes durante o processo de ensino-aprendizagem.

Isso é possível, com a adoção de tecnologias criadas e pensadas para o aperfeiçoamento do processo de avaliação de estudantes e que sejam capazes de substituir o processo tradicional de elaboração, geração, validação e correção de provas, que já se mostrou extremamente deficitário, por um processo novo e mais eficiente.

Plataforma Qstione nasceu com o objetivo de avaliar e estruturar o conhecimento trabalhado nas salas de aula. O nosso foco é mudar a cultura avaliativa das instituições de ensino, com a estruturação correta do processo de avaliação de estudantes.

A mudança dos processos de avaliação depende apenas de uma decisão de gestão da instituição de ensino. Para qualificar as avaliações de estudantes é preciso melhorar os processos e qualificar as pessoas.

Mudar para melhor os processos de avaliação de estudantes. Esse é o nosso trabalho, na Qstione.

www.qstione.com.br